Benefícios e indicações dos acessos venosos para quimioterapia

Atualizado: 7 de Set de 2019

O uso da tecnologia pode trazer mais conforto ao tratamento do câncer, preservando a saúde do paciente.




O tratamento do câncer pode ser feito de diversas formas. Conforme o tipo da doença e o estado de saúde do paciente, podem ser indicados cirurgia, imunoterapia, terapia alvo, quimioterapia, radioterapia ou até mesmo o transplante. Em muitos casos, uma ou mais modalidades são combinadas, de modo a oferecer as melhores chances de cura ao paciente.


No caso da quimioterapia, são utilizados medicamentos específicos para o tratamento do câncer, que são introduzidos no organismo de diversas formas.


Por via intravenosa, os medicamentos são levados através da corrente sanguínea, com o objetivo de destruir as células que formam o tumor, impedindo que sigam se multiplicando.


Neste caso, no entanto, é preciso atenção ao acesso do medicamento, para que o quimioterápico entre na circulação corretamente e possa se espalhar pelos tecidos, explica o cirurgião oncológico Dr. Arnaldo Urbano Ruiz.


“A forma mais comum hoje em dia é a utilização das veias periféricas, que são aquelas que a gente usa para colher sangue. No entanto, por conter fármacos agressivos, a quimioterapia pode acabar lesionando o endotélio, que é a parte interna das veias. Com o passar do tempo, fica cada vez mais difícil o acesso para a quimioterapia. Há, inclusive, o risco de extravasar para as partes moles e pele do membro superior, levando a feridas, que muitas vezes precisam de cirurgia plástica reparadora.


Tecnologia e segurança


Existe uma alternativa para evitar estas lesões, ou mesmo para ser utilizada quando já não é mais possível utilizar estas veias. Trata-se do porth-a-cath.




“Este aparelho é colocado na parede anterior do tórax, com uma extremidade na entrada do coração, entre a veia cava superior e o átrio direito, oferecendo mais comodidade e facilidade da introdução do quimioterápico.”

O especialista explica que esta opção deve ser avaliada em diversas situações.

“Uma delas é para a realização de FOLFOX, que é um esquema de quimioterapia utilizado no aparelho digestivo, para casos de câncer colorretal, em que o paciente recebe a quimioterapia infusional ininterruptamente, ao longo de 48 horas.”

Colocação e benefícios


Na colocação do porth-a-cath, a localização da veia é guiada por ultrassom intraoperatório.



“Com a técnica de Seldinger, colocamos um fio guia, dilatamos o local, colocamos o cateter e fazemos a radioscopia, que é um exame de raio-x para verificar se o cateter ficou bem locado.

O Dr. Arnaldo explica que, em geral, o reservatório fica posicionado na parede anterior do tórax, totalmente implantado sobre a pele. Desta forma, a administração da quimioterapia fica muito cômoda e segura para o paciente.


(11) 3045-3797 / (11) 2589-0382

Seg à Sexta das 8h às 18h

Av. Santo Amaro, 1149 cjs. 33/34 
Vila Nova Conceição | São Paulo-SP

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • LinkedIn ícone social

Copyright © 2020 Dr. Arnaldo Urbano Ruiz